Eleições 2020: Cenário está pulverizado com pré-candidatos contra atual prefeito em Morro do Chapéu

Publicado em 30/10/2019 às 09:54h

A menos de um ano das eleições de 2020, em Morro do Chapéu, nos limites da Chapada Diamantina, no Sertão Baiano, o leque de pré-candidatos ao Executivo Municipal ainda não ganhou contornos finais. Conforme apurado pelo BNews, os principais postulantes se apresentam como oposição ao prefeito Léo Dourado (PL). Com imagem arranhada, o gestor não revelou se tentará permanecer no Executivo Municipal, ou se apoiará algum nome.

Entre os pré-candidatos que pretendem substituir a gestão de Dourado está a advogada e vice-prefeita, Juliana Araújo (PL), filha do ex-deputado federal José Carlos Araújo (PL). Integrantes do seu grupo político afirmaram para reportagem que ela foi isolada da gestão municipal cerca de 10 dias após o resultado da eleição. Com Juliana, também caminham o presidente da Assembleia Legislativa, Nelson Leal (PP) e o deputado federal Felix Mendonça (PDT).

Vereadora por dois mandatos, a Professora Sheila (PT) também confirma que pretende ocupar o posto de chefe do Executivo Municipal. Ao lado da parlamentar estão os deputados estaduais Jacó (PT), Eduardo Sales (PP) e Neuza Cadore (PT), além do deputado federal Afonso Florence (PT). Descarta aliança com o que chama de “tudo de conservador que há no munícipio”.

O empresário e presidente do Sindicato Rural de Morro do Chapéu, Vítor Araújo (sem partido) também é avaliado para o cargo. Em 2016, ele foi candidato pelo PTN a vice-prefeito na chapa de João Humberto Batista (PSL), conhecido como Beto. Atualmente, analisa seu possível embarque no PSB. Tem apoio do deputado estadual Alex Lima (PSB), deputada federal Elisângela (PT) e do ex-deputado federal Luiz Caetano (PT).

Vítor faz parte do grupo político composto por ex-prefeitos que almejam voltar ao poder. Mas, pendências na Justiça podem atrapalhar o provável retorno de Aliomar da Rocha Soares, com seis contas reprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), e de Cleová Oliveira Barreto, com duas contas reprovadas pela Corte.

Beto, que antes de concorrer à prefeitura assumiu a presidência da Câmara Municipal, também é cogitado, mas está inelegível por oito anos. Ele foi condenado pela Justiça e, pela lei da Ficha Limpa. O juiz Benedito da Conceição Alves, da 7ª Vara da Fazenda Pública, manteve o parecer do TCM que já havia rejeitado as contas da Câmara em 2010, quando ele já ocupava a presidência da Casa.

Um outro grupo político local avalia o nome do tio de Léo Dourado, o ex-prefeito Edigar Dourado, com uma conta rejeitada pelo TCM. À reportagem, políticos locais afirmaram que ele também rompeu com o sobrinho. A vereadora Bea (PDT) e os vereadores André Valois (PROS) e Erico Sampaio (PRB) também são nomes ventilados.

Apesar da quantidade de pré-candidatos no município, a tendência é afunilamento das candidaturas, uma marca da eleição morrense. Fonte: BNews


PUBLICIDADE