Santana comemora série invicta no Horto e vê Atlético-MG "comendo pelas beiradas" no Brasileiro

Publicado em 11/08/2019 às 08:46h

Foto: Bruno Cantini/ Atlético-Moto: 

Doze jogos sem perder jogando no Horto. Esse é o número que alcançou o Atlético-MG sob o comando de Rodrigo Santana. Com a vitória sobre o Fluminense por 2 a 1 na noite deste sábado, no Independência, o Galo chegou a 27 pontos no Campeonato Brasileiro e ficou a cinco pontos do líder Santos. A vitória de hoje marcou também o fim do jejum de 15 jogos sem marcar do atacante Ricardo Oliveira.

- Nosso diferencial, dentro de casa, e a gente deixou bem claro que a massa apoiando, que o time tem toda essa energia para correr contra uma brilhante equipe do Fernando Diniz, que movimenta muito, que nos traz muito problemas no setor defensivo e para jogar contra uma equipe assim tem que saber sofrer porque eles movimentam bastante, eles criam bastante, e a equipe se entregou muito taticamente, a gente sabia da movimentação deles, só que a gente sabe que uma hora cansa e, às vezes, eles acabam se expondo e a gente precisa ser eficiente para matar nos contra ataques, tivemos duas grandes chances apesar dos 30 primeiros minutos eles terem jogado muito melhor que a gente, as gente teve duas chances claras, não conseguimos matar e a partir dos 33, a gente conseguiu equilibrar o jogo ser um pouquinho superior e abrir o placar - disse Rodrigo Santana.

- Não precisava correr tanto perigo assim, tão bom vencer principalmente dentro de casa e a gente acabou tomando o gol no final, um pouco de desatenção, acredito que eles não tavam acompanhando o tempo de jogo e fez com que a gente não acompanhasse a marcação,a gente tava orientando, pedindo muito, mas a gente sabe num jogo que foi de muita transição, desgasta muito, e o nível de concentração quando você tá cansado cai um pouco e a gente acabou sendo surpreendido com gol.

Ricardo Oliveira

O atacante Ricardo Oliveira encerrou um longo jejum no jogo desta noite. Após 15 jogos sem marcar um gol, o jogador balançou as redes e ampliou o placar para o Atlético-MG no segundo tempo.

- Ricardo é uma pessoa extraordinária, é um cara que tá com 39 anos e ainda consegue jogar em alto rendimento uma Série A do Campeonato Brasileiro, um cara que jogou em grandes clubes do mundo e consegue ser competitivo . Passou por esse momento pela primeira vez na vida dele, como ele tava falando no vestiário, a gente sabe que no momento que estavam pegando no pé, a bola não tava entrando, o coletivo tava funcionando, ele tava se entregando taticamente, mas a gente decidiu tirar um pouquinho o foco dele, tirar essa pressão para ele voltar com confiança com essa tranquilidade, mais que merecido ele fazer esse gol tão importante para gente - destacou Rodrigo Santana.

"É um cara que trabalha muito, às vezes acaba o treino ele é último a chegar no vestiário fazendo finalização, e é um cara que não precisa, com todo respeito que ele já ganhou na vida, com o nome que ele tem".

Ricardo Oliveira comemora gol com companheiros do Atlético-MG — Foto: Bruno Cantini/ Atlético-MG

Título

Com a segunda vitória seguida no Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG chegou a 27 pontos e se mantém na quarta colocação da competição, a apenas cinco pontos do líder, Santos, que tropeçou e perdeu para o São Paulo nesta rodada. Os resultados obtidos pelo time de Rodrigo Santana fazem despertar no torcedor atleticano a esperança do título do Brasileirão. Com o campeonato ainda longe do fim, Rodrigo Santana mantém os pés no chão.

"A gente, desde que entrou na competição, acredita, infelizmente não da pra ganhar todos os jogos, ir bem em todos jogos, é bom deixar os holofotes voltados para os outros clubes e deixar como eu falei a gente comendo pelas beiradas, vivendo jogo após jogo, deixa o pessoal apostar campeão para outro lado, a gente sabe que tem muita competição pela frente ainda" - avaliou Santana.

- A gente sabia desse arranque do Santos, que ele teria foco no Brasileiro, a gente sabe que o Palmeiras divide a atenção com outras competições, o próprio Flamengo, a gente, o Inter. A gente sabe que tem uma responsabilidade muito grande, mas a gente procura comendo pelas beiradas, jogo após jogo e deixar os holofotes para outras equipes.

Veja outras partes da coletiva de Rodrigo Santana:

Estilo de jogo

- Olha a gente treina muito o adversário, todo treino que a gente monta é em cima das características do adversário, e a gente procura fazer com que eles entendam as fases do jogo, se é uma equipe que propõe o jogo, se é uma equipe reativa, o que a gente pode fazer para surpreender, então com o tempo a gente vai conseguindo encaixar, eu admiro muito as equipes que jogam com a posse da bola, eu gosto também bastante mas, às vezes, eu não tenho as características no elenco para propor isso, então eu procuro trabalhar com o que a gente tem na mão e principalmente nos onze iniciais para criar uma estratégia para procurar surpreender o adversário.

Galo pós Copa América

- Acredito que ainda não (questionado se o estilo de trabalhar está completamente implantado). É evidente que eu tenho uma comissão muito competente que me ajuda bastante, o Lucas, o Éder, o Adilson, todos os preparadores físicos, setor de análise. Nosso maior desafio é tentar passar informação para eles (jogadores), mas que eles entendam o conteúdo, não adianta só eu falar e eles não entenderem o que eu quero falar. Eles estão conseguindo ter uma grande leitura de jogo e isso tá me facilitando, jogadores experientes, vencedores, isso tá me facilitando, tivemos uma derrota após essa parada, a gente trabalhou muito, acredito que, às vezes, a gente precisa perder para sentir na pele uma dor de quanto é ruim sofrer assim, para amadurecer dentro das competições e procurar ter um equilíbrio maior dentro da partida, nosso maior desafio é fazer eles entenderem contra quem a gente tá jogando, e como eles estão jogando, e o porque nós vamos jogar assim em cima do adversário, esse é o nosso maior desafio. Fonte: GE


PUBLICIDADE