Testamento de João Gilberto abre nova fase da disputa familiar; veja documentos

Publicado em 10/07/2019 às 10:08h

João Gilberto em 2008 no Teatro Municipal do Rio Foto: Ari Versiani / AFP

RIO — Enquanto o corpo de João Gilberto era velado no Teatro Municipal, na segunda-feira, já se davam nos bastidores as primeiras movimentações jurídicas em torno do espólio do artista. Sua filha Bebel Gilberto e Maria do Céu Harris (que se coloca como companheira do músico) entraram com pedidos de inventário naquele mesmo dia — ambas reclamando o direito de cuidarem do processo.

 

"SR OLIVEIRA" : As lendas que deram a João Gilberto a fama de excêntrico

A disputa dá sequência a uma batalha judicial na qual elas já vinham em campos opostos — em 2017, Bebel solicitou a interdição de João, que Maria do Céu (aliada a João Marcelo, também filho do cantor) contestava.

Velório de João Gilberto, no Theatro Municipal: à esquerda, as filhas Bebel Gilberto, Luisa e a ex-namorada do compositor, Claudia Faissol; à direita, Maria do Céu Foto: Gabriel Paiva / Agência O Globo

A tentativa de Bebel e Maria do Céu gerirem o inventário de João é apenas parte das disputas que se iniciam com a morte do músico. Em 4 de setembro de 2003, o artista escriturou um testamento — ao qual O GLOBO teve agora acesso exclusivo. Nele, determinou que seus bens fossem partilhados entre os filhos João Marcelo e Bebel (à época, sua caçula Luisa, filha de Cláudia Faissol, hoje com 15 anos, ainda não era nascida) e Maria do Céu — apesar de o documento trazer a informação de que “o testador declara, por fim, que não tem companheira”.

Petição de Maria José Harris requerendo o reconhecimento de união estável com João Gilberto Foto: Reprodução

 

O testamento de João Gilberto, de 2003 Foto: reprodução / Reprodução

Em 2017, porém, Cláudia teria conseguido a revogação do testamento. Isso não impediu que na última segunda-feira, Maria do Céu solicitasse  o cumprimento do testamento de 2003. Nesse documento, ela  declara que João “de maneira pública e notória, (...) manteve uma união estável com a requerente desde 1984, que perdurou de maneira ininterrupta até o dia de sua morte”.


PUBLICIDADE