PP reivindica suplência de Coronel; PCdoB negocia compensação eleitoral e PR fica de fora

Publicado em 10/07/2018 às 09:37h

Governador está em saia justa com suplências

O PP entrou de vez na disputa pela suplência de senador de Angelo Coronel (PSD). De acordo com uma fonte envolvida nas negociações, o partido alega que o espaço já era da sigla, com Roberto Muniz na suplência de Walter Pinheiro (sem partido), e agora não abre mão da vaga. A nova indicação está entre o próprio Muniz e o deputado federal Ronaldo Carletto.

Já o PCdoB, que quer indicar Davidson Magalhães, esbarra em um pleito complicado de ser atendido: não quer coligar na proporcional. Para contornar a situação, a base do governador Rui Costa (PT) negocia oferecer ao partido comunista uma compensação eleitoral para deputado federal. Assim poderia viabilizar eleitoralmente mais um parlamentar da legenda no Congresso - Alice Portugal e Daniel Almeida tentam a reeleição.

Em entrevista ao Bahia Notícias, Davidson, presidente estadual do partido, rechaçou a hipótese de o PCdoB ficar sem a suplência porque não quer coligar no chapão para deputado estadual. Ele chamou a hipótese de “absurda” e sugeriu que há interesse em obstaculizar as coisas para a legenda. “Não criamos obstáculo para a participação de ninguém até agora. Isso é tentar criar uma dificuldade agora para o PCdoB, é inaceitável. Todo mundo já sabia as táticas dos partidos. Tentar criar esse problema é completamente artificial”, bradou o dirigente comunista.

Ainda segundo ele, o governador Rui Costa (PT), que concorre à reeleição, disse que vai convocar o partido para uma reunião ainda esta semana, na qual pretende definir a questão das suplências. O petista está em Brasília, mas deve marcar o encontro quando voltar da capital brasileira. Davidson ainda negou que Rui tenha prometido qualquer compensação eleitoral ao PCdoB. Também afirmou que não vai abrir mão de ficar sem coligar no chapão só para ter direito a uma vaga na suplência.

“Não vamos discutir isso como hipótese. Não são conversas que estão vinculadas. Juntos ou separados, todos vão fazer campanha para a mesma chapa majoritária”, ponderou.

A ver navios

Quem ficou de fora das negociações foi o PR. O presidente do partido na Bahia, o deputado federal José Carlos Araújo, havia indicado a ex-prefeita de Sebastião Laranjeiras Dra. Luciana, mas a proposta não decolou. Fonte: Bahia Notícias


PUBLICIDADE