São Paulo anuncia Diego Aguirre como novo técnico até o fim de 2018

Publicado em 12/03/2018 às 11:33h

Diego Aguirre

O São Paulo anunciou neste domingo (11) a contratação do técnico uruguaio Diego Aguirre. O vínculo terá duração até o fim de dezembro, e a apresentação do novo comandante já ocorrerá nesta segunda-feira (12), às 15h30, no CT da Barra Funda. 

O treinador uruguaio de 52 anos já atuou como jogador no São Paulo, nos anos 90, e é visto pela diretoria tricolor como um nome apropriado para o momento do clube, que demitiu Dorival Júnior após a derrota por 2 a 0 contra o Palmeiras, pela última rodada do Campeonato Paulista.

"Aguirre é um técnico atualizado, com grandes trabalhos e referências importantes para o que queremos no futebol do São Paulo. Confiamos que ele tem o perfil e a metodologia de trabalho que se encaixam com o clube", argumentou Raí, diretor executivo de futebol do clube.

O São Paulo enfrentará o Red  Bull com André Jardine, que está interinamente no cargo para substituir Dorival Júnior. Aguirre irá ao Morumbi assistir à partida deste domingo. No futebol brasileiro ele já trabalhou como técnico no Internacional e no Atlético-MG, além de passagens como jogador por São Paulo, Inter e Portuguesa.

Ele chega acompanhado pelos auxiliares Juan Verzeri e Raul Enrique Carreras, além do preparador físico Fernando Pignatares.

MEDALHÃO

Torcedores e parte dos conselheiros do clube pediram a contratação de um técnico "medalhão". Vanderlei Luxemburgo, Luiz Felipe Scolari e Cuca foram os nomes mais repetidos por quem queria mudança no comando tricolor. No caminho contrário dos pedidos, Raí, acompanhado por Ricardo Rocha e Lugano, descartou os veteranos por entender que eles não se adequam ao projeto que o trio desenha para o clube, elegendo Diego Aguirre para a posição de técnico.

Na visão dos integrantes do departamento de futebol tricolor, o São Paulo vive um momento instável emocionalmente e a chegada de um técnico com uma personalidade muito forte poderia deixar a situação ainda mais conturbada no Morumbi.

Para os dirigentes, era necessária uma pessoa mais equilibrada e comedida em suas ações para comandar o time. Também, segundo os tricolores, não é hora de um treinador que vá chamar mais a atenção do que o elenco.

Outro ponto destes três treinadores fora das características do projeto de construção de identidade do São Paulo criado por Raí é a montagem da comissão técnica. Os três, no caso, gostam de trabalhar com seus profissionais de confiança. O Tricolor espera refazer o esquema anterior à passagem de Rogério Ceni, no ano passado. A ideia é de que o clube tenha uma comissão permanente, com o auxiliar André Jardine sendo preparado para um dia assumir o comando. 

Por fim, no caso de Luxemburgo há também uma incompatibilidade com o perfil de Raí. De acordo com pessoas próximas ao dirigente, é bastante improvável ver um dia os dois trabalharem no mesmo clube. O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, também não é um grande fã do estilo do treinador. Fonte: Bocão News


PUBLICIDADE