Veja o que Jair pensa sobre o elenco do Santos, Vitor Bueno e Gabigol

Publicado em 13/01/2018 às 10:56h

Jair Ventura em sua sala no CT Rei Pelé (Foto: Laura Fonseca)

Na última sexta-feira, o novo técnico do Santos, Jair Ventura, recebeu o GloboEsporte.com para uma entrevista exclusiva pouco antes do treino da equipe.

Sem entregar os segredos da equipe, Jair analisou o elenco alvinegro, elogiou o grupo que tem nas mãos e comentou sobre o meia Vitor Bueno, que se recupera de uma lesão, e sobre a possível chegada do atacante Gabigol, principal alvo do Santos nesta janela de transferência.

Na próxima quarta-feira, dia 17, a equipe estreia na temporada contra o Linense, em Lins, pelo Campeonato Paulista. 

Veja o que disse o técnico Jair Ventura:

GloboEsporte.com: Você fala que tem uma ideia própria para o time, mas que também é o treinador quem tem que se adaptar ao elenco. A sua ideia é possível de ser implantada aqui no Santos com o elenco que você tem?
Jair Ventura: 
Com certeza, com qualquer clube. Você tem que se adaptar com o que tem em mãos. Se você tem dois noves em grande momento, você pode jogar com dois noves. Se você não tem um nove, pode jogar com um falso nove. Tudo é possível dentro do futebol. O ideal é colocar em campo o que tem de melhor. Se você tem quatro atacantes em bom momento, pode jogar com quatro atacantes.

Qual sua avaliação sobre o elenco do Santos?
 Gostei. Estou feliz, tem bons jogadores, apesar das perdas (Lucas Lima e Ricardo Oliveira saíram do clube). Foram os que ficaram aqui que me fizeram vir para cá. Confio na qualidade dos que que aqui estão. Chegando mais jogadores, melhor. Mas estou feliz, o Santos tem tudo para fazer um grande ano.

Qual a posição mais carente?
 Difícil, penso sempre no grupo. Eu sou um gestor de pessoas. Se eu falo para vocês onde é mais carente, meus jogadores estão me escutando, me lendo. É bem complicado falar de nomes, de carências de posições... A gente está trabalhando, não podemos divulgar, pode dificultar negociação. É bom a gente ficar quieto. A torcida pode ficar tranquila, o departamento de futebol está trabalhando.

Dá para repor as saídas com os jogadores que você tem no grupo?
 Não tem outro jeito, sou pago para isso. É a vida do treinador, faz parte do jogo os times perderem atletas, e o treinador tem que dar um jeito nisso.

O Vitor Bueno é um dos jogadores que pode ocupar a vaga do Lucas Lima. Você o vê como meia, já que ele estava jogando como ponta em 2017?
 Ele já deixou claro numa entrevista que ele quer jogar por dentro. Claro que tem possibilidade de tudo. Eu faço... Escondi aqui de vocês, mas tem uma análise em que sento e converso com todos os atletas. A gente procura entender onde podem render mais, onde podem ser adaptados ou não. Às vezes a gente é chamado de Professor Pardal, (dizem) que a gente inventa, mas isso tudo é treinado, conversado com os atletas. Numa dessas de Professor Pardal, consegui uma posição para o Bruno Silva, que foi da seleção do Campeonato Brasileiro, conseguiu um grande contrato com 31 anos.

O presidente do Santos tem falando com otimismo da chegada do Gabigol. Você compartilha deste otimismo?
 É difícil (falar). É uma situação que foge da minha alçada. O treinador tem seu limite. A gente trata de campo e bola. Eu sei o que representa o jogador, da qualidade dele. Fonte: GE


PUBLICIDADE