Jornal francês cita vestiário dividido no PSG após "tensão" entre Thiago Silva e Pastore

Publicado em 12/01/2018 às 09:51h

O clima no Paris Saint-Germain pode estar azedo. O jornal francês "L"Équipe" publicou na capa de sua edição dessa sexta-feira (12) uma reportagem que considera que o vestiário do clube está em um "estado de tensão" após as declarações de Thiago Silva, Cavani e Pastore, envolvendo o atraso do argentino e do uruguaio na reapresentação à equipe após as férias.

 
"A discórdia": capa do "L"Équipe" relata problema no vestiário do PSG após declarações de Thiago Silva (Foto: Reprodução / L"Equipe)

A série de disputas que ocorreram durante a temporada se soma à esta e cria, de acordo com o jornal, uma divisão entre brasileiros e jogadores sul-americanos. Di Maria, Cavani, Pastore e Lo Celso ficam de um lado, enquanto Neymar, Daniel Alves e Thiago Silva aparecem de outro.

Na análise da publicação, a situação, que já esteve sem controle em alguns momentos, como na disputa de Neymar e Cavani para saber quem batia os pênaltis, reacendeu após a vitória por 2 a 0 da equipe parisiense contra o Amiens, pela Copa da Liga Francesa. Cavani e Pastore ficaram fora da partida como punição pelo atraso.

Em entrevista coletiva no fim da partida, o capitão Thiago Silva disse que a volta de Cavani era importante, ainda que "tenham feito um gesto que não foi bom para o grupo". No entanto, o zagueiro mostrou uma opinião contrária sobre Pastore e afirmou que o meia é um pouco diferente do uruguaio e que, inclusive, teria pedido para sair da equipe - fato que não se consumou.

A afirmação gerou uma resposta de Pastore nas redes sociais, na qual ele diz que não falou nada com Thiago Silva sobre seus problemas pessoais e que, além disso, não queria ter se atrasado ou deixar o clube.

- Nunca falei com o Thiago Silva sobre meu problema ou sobre meu futuro. Nunca coloquei pressão em ninguém. Não é meu estilo. Ele não estava sabendo do problema que eu tive e me fez atrasar. Sempre fui leal. Não é verdade que quero sair do clube. Quero encerrar a minha carreira aqui - disse.

A reportagem diz que a situação dos atrasos de Pastore e Cavani e a declaração de Thiago Silva "revivem essas tensões", especialmente porque os sul-americanos do elenco relembram a viagem feita por Neymar ao Brasil, em dezembro, período em que a equipe estava sem jogar.

O período foi usado pelo atacante para visitar sua irmã doente, mas a presença em uma festa teria pegado mal entre alguns atletas.

O "equilíbrio de poder" dentro do elenco também mudou após Neymar e Daniel Alves chegarem ao clube, no início da atual temporada. Se antes os jogadores sul-americanos eram os mais influentes dentro do vestiário, deixando o capitão Thiago Silva com um "papel reduzido", a nova configuração daria mais força aos brasileiros, até mesmo para o técnico Unai Emery. A briga pelos pênaltis entre Neymar e Cavani seria uma prova disso, de acordo com o "L"Équipe". Fonte: GE


PUBLICIDADE