"PSDB tomou a melhor decisão para o país", diz Jutahy

Publicado em 14/06/2017 às 09:33h

Apesar das críticas da população nas redes sociais e da repercussão negativa até na imprensa, o deputado federal baiano Jutahy Magalhães Jr. avalia que seu partido, o PSDB, “tomou a melhor decisão pelo bem do País” ao anunciar que continuará integrando o governo de Michel Temer e dando apoio ao presidente no Congresso Nacional.

Em entrevista à Tribuna, o tucano também garantiu a permanência dos dois ministros baianos da cota do PSDB, Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Luislinda Valois (Direitos Humanos). Jutahy Jr. ponderou que a decisão foi tomada “pela agenda das reformas”, e não pela pessoa de Temer como presidente, tampouco por compromisso de “fidelidade eterna” com o PMDB.

“Uma maioria bastante expressiva dentro do PSDB defendeu a permanência neste momento, com base em duas questões, e uma delas é o compromisso do PSDB com as reformas. Uma delas já vai ser finalizada agora, a trabalhista, que vai ser aprovada no Senado. O PSDB achou, neste momento, repito, fundamental apoiarmos o governo, e sendo protagonistas. Motivo número 2:  nossa presença no governo dá estabilidade e governabilidade. Nossa saída seria um fator de instabilidade. Você não sabe o que vem depois. O PSDB sai e acontece o que?”, questionou o deputado baiano.

Jutahy Jr., porém, afirmou que a relação não é eterna. “Não é um casamento indissolúvel. Estamos vivendo um ambiente de crise, sujeito a fatos novos a cada dia, a cada minuto, praticamente. O presidente (interino do PSDB, senador Tasso) Jereissati (CE) está conduzindo com muita competência e monitorando os eventos dentro do PSDB”. O deputado minimizou uma reunião do diretório do PSDB na Bahia, na noite de segunda-feira (12), na qual houve uma votação de 5 a 4 por rompimento com Temer. “Não participei dessa reunião, e sou membro do diretório. Então não se pode dizer que é uma decisão de diretório”. 

A Tribuna não conseguiu contato com o presidente do PSDB na Bahia, o também deputado federal João Gualberto, até o fechamento desta edição. Gualberto é a favor do rompimento desde o momento da denúncia do empresário Joesley Batista, que gravou Temer articulando uma operação para manter em silêncio o ex-deputado federal Eduardo Cunha, preso desde outubro de 2016 pela Lava Jato.

Gualberto protocolou no mesmo dia um pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. Jutahy comentou ainda sobre a possível denúncia a ser feita pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot, cuja expectativa é de pedir até prisão de Temer. Para o tucano, “não se pode prever nada antes de qualquer coisa concreta”. Fonte: Tribuna da Bahia


PUBLICIDADE